Como a gente não pode viajar agora, que tal lembrarmos de algumas experiências que os nossos alunos tiveram mundo afora?

A nossa conversa de hoje é com a Darah que passou quatro meses em Portugal e dois meses na Grécia! Ela é aluna do 8° período de PP e hoje trabalha com Marketing Digital. Fizemos algumas perguntas para entender todo o processo da Darah nessa jornada.

Como foi a decisão de fazer um intercâmbio?
Sempre tive muita vontade de fazer intercâmbio, mas eu nunca soube muito bem como. Fazer por fora da faculdade era muito caro. Então, no PUC Aberta uma aluna do curso de Publicidade deu um depoimento de que tinha ido para Portugal pela PUC e foi aí que eu fiquei sabendo que a PUC tinha intercêmbio.
Desde o primeiro período eu já comecei a ver o que precisaria fazer e no segundo período já me inscrevi. Escolhi Portugal porque não precisaria fazer uma prova comprovando meu inglês. Passei pelo processo seletivo e consegui ir. Então, eu sempre tive vontade de fazer, a PUC foi uma facilitadora e eu também tinha muita curiosidade de vivenciar outras culturas. Acho que a coisa que eu mais gosto de fazer no mundo é aprender coisas e aplicar.

Qual cidade você escolheu pra visitar e quanto tempo ficou por lá?
Fiz o intercâmbio na cidade de Braga em Portugal e era pra ter durado seis meses. Só que acabei ficando só quatro meses, porque lá o semestre são quatro meses de aula e dois de férias. Estava trabalhando de garçonete lá e juntei uma grana e então fiz um processo seletivo da AIESEC, que é um outro tipo de intercâmbio pra trabalho voluntário. Passei nesse processo seletivo, comprei a passagem e fui fazer um outro intercâmbio nesses dois meses de férias. Fiz trabalho voluntário na Grécia na WWF – aquela ONG do panda.

Quais foram as experiências mais marcantes em morar fora?
Pra mim foi o fato de perceber o quanto meu país é maravilhoso. Portugal foi a primeira viagem que eu fiz para fora do país e fui pensando que seria um outro mundo, melhor que o Brasil. Realmente era tudo ótimo, acho que foi a melhor fase da minha vida, só que eu também percebi o quanto a gente – povo brasileiro – é massa. A PUC é muito boa e o curso de Publicidade é muito bom. Também, o povo brasileiro não tem igual, a gente tem um país lindo. Hoje eu tenho uma tatuagem em homenagem ao tempo que fiquei em Portugal. É a palavra reconvexo – que é uma música do Caetano Veloso – que fala justamente sobre isso, o orgulho de ser brasileiro que eu percebi lá.
Outra experiência marcante é o fato de ter conhecido gente do mundo todo. Enquanto eu estava em Portugal conheci muitos brasileiros de outros cantos do Brasil. Mas enquanto estava na Grécia, conheci muita gente do Oriente Médio, da África. Convivi com gente do Cazaquistão, índia, China, Turquia, Ucrânia e República Tcheca. Foi uma experiência cultural que eu acho que nunca mais vou ter na vida.

Pra terminar, pedimos para a Darah dar uma dica pra quem quer embarcar em um intercâmbio.
A dica que eu daria hoje é: se prepara com bastante antecedência. É um processo que todo mundo quer, a concorrência é muito grande. Comecei meu processo seletivo no segundo período pra poder ir no quarto período, então foi um ano correndo de tudo que precisava: documentos, entrevistas, passaporte. Não tenha medo de ir, de ficar perdido, de não falar a língua, de ficar sozinha, porque tudo isso você vai aprender na pele que é muito mais fácil quando você simplesmente vai.

 

Se você também quer fazer um intercâmbio, não desanima! No momento não tem nenhum edital aberto por conta da pandemia do COVID-19, mas fique de olho no site da SEPLAN que qualquer novidade nós te contamos por lá.